Achados e perdidos

Os editores reclamam
que ninguém lê poesia.
Que somos incompreensíveis.

Fossem às livrarias
e desvendavam o mistério:
não há poesia à venda.

Entretanto, Libertinagem
se expõe ao público, pouco cabotino,
entre livros pornográficos.

Claro enigma? Fácil!
Na seção de charadas.
O cão sem plumas na veterinária.

A luta corporal nas artes marciais.
O aprendiz de feiticeiro no ocultismo.
O coração disparado na cardiologia.

E assim os livreiros escondem
– inscientes ou sábios? – os ovos
de Páscoa da poesia.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Achados e perdidos

  1. Sandra diz:

    Coincidentemente, hoje eu li João Cabral de Melo Neto, O cão sem plumas…

    • Pode parecer mentira, mas esse poeminha originou-se de uma situação real, semelhante às descritas no texto, só que envolvendo um livro meu, Alta Tensão, que foi parar na prateleira reservada à Engenharia.

  2. Pingback: Poesia é coisa de gente inteligente - CONTI outra, artes e afins

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s