Cascudinho

O cascudinho veio voando
e pousou no meu braço.
Era verde-ouro-aveludado,
de uma cor que eu nunca sonhara.

O cascudinho bateu asas.
Não o retive com a mão
por medo de machucá-lo.
Mas chorei porque foi-se embora.

Hoje, se um inseto pousa em mim,
dou-lhe um piparote, e adeus.
Já não se assombram, nem choram,
meus olhos velhos de eras.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s