Pergunte ao pó

Viveu, não viveu,
o pó comeu,
o chão comeu,
o não comeu.

Mas quem sou eu?
Matéria de um sonho?
Sonho da matéria?

Eu sou eu, não sou eu.
Sou tudo o que serei, tenho uma força enorme.

Quando eu morrer, junto ao meu túmulo,
pergunte ao pó sobre o tumulto
que um dia o levantou do chão
e respondia por meu nome.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a Pergunte ao pó

  1. Pingback: Poesia é coisa de gente inteligente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s