Berrante

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar meus irmãos
Deu estouro na boiada
e eu sozinho não dou conta

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar meus amigos
O baile vai começar
e há mulheres como trigo

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar meus comparsas
A briga está muito feia
e já fiquei lastimado

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar Catarina
O maio já vai em meio
e a tapera está erguida

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar a parteira
Catarina berra e berra
e eu não sei nenhuma reza

Meu vô, me empresta o berrante
Quero chamar os meus filhos
Rumaram pra Capital
e ninguém manda notícias

Meu vô, me empresta o berrante
Quero tanger a tristeza
Catarina partiu antes
e é longo o entardecer

Meu vô cego e surdo e morto,
já estou com o pé no estribo
Vamos prosear, sem demora,
cara a cara, no infinito

Teu berrante já não vibra
seu fundo e grave chamado
Orna a parede  da sala
de um bisneto tresmalhado

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s