A dor me pôs na sombra, na penumbra

A dor me pôs na sombra, na penumbra,
porque a dor traz a noite quando irrompe,
e onde estou não se encontra um outro homem
mortificado como eu sou – nenhum.

Dor com dor e mais dor: meu desjejum.
Dor meu repouso e dor os meus esforços.
Cão que late a meu pé e não me abandona,
sempre fiel ao dono, cão importuno.

Cardos, dores me põem sua coroa.
Cardos, dores me açulam seus leopardos
e partem um por um todos meus ossos.

Já não pode o meu corpo resistir,
entre dores e cardos sufocado.
Que lento sacrifício é nossa vida!

Soneto de Miguel Hernández (1910-1942) – tradução de Paulo Becker.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s