Pedra negra sobre uma pedra branca

Morrerei em Paris com aguaceiro
em um dia do qual já me recordo.
Morrerei em Paris – e não me apresso –
numa quinta, talvez, num outro outono.

Numa quinta será, porque hoje, quinta,
ao meter os meus úmeros à mala,
meditando estes versos, entrevi
os caminhos que andei, abandonados.

Morreu César Vallejo. O apedrejam
todos sem que ele possa defender-se.
Agridem-no com paus e o martirizam

com lambadas de relho. O testemunham
as quintas-feiras e meus ossos úmeros,
a solidão, a chuva e os caminhos.

Poema de César Vallejo (Peru, 1892 – Paris, 1938) do livro Poemas humanos – tradução de Paulo Becker.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s