Maria-mole

Lá vai meu tio de cabeça baixa como boi resignado
A nuca de fora sob o cabelo cortado redondo
Vai suar na fundição por um salário miserável
e crê que o patrão o tem em alta conta

Lá vai meu tio de fundilhos remendados
Na mão o almoço envolto em papel de embrulho
Ele ama o suadouro e a fuligem da fundição
porque o põem noutro mundo longe da mulher com úlceras

Lá vai meu tio calçando sapatos maria-mole
Malandro quarentão assovia pras moças de minissaia
À noitinha no bar toma um e outro gole
e volta pra casa, os olhos no barro das ruas do bairro Liberdade

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s