Porque no engraso los ejes

Poeta jovem, escrevia versos
para me mostrar
superior, sensível, singular
No embalo das musas
dramatizava dores e amores
num espetáculo solo sobre o palco
e se o aplauso não vinha
é que o público era surdo

Hoje escrevo só para quebrar o silêncio
e te mostrar
que ando sozinho, andas, andamos
Arrastamos mundo afora nossas carretas
abarrotadas de dores e amores imperfeitos
e palco não há, nem teatro, nem musas,
apenas solidões que, vez por outra, se cruzam
e seguem, surdas, cada qual o seu rumo

Los ejes de mi carreta nunca los voy a engrasar

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s