Minha poesia

Para Luis Fernando Verissimo

Minha poesia uma doação para o futuro?
Ora, Camões

Quando o homem do século XXX
por acidente topar com ela
entre computadores, armas
e outros trastes de hoje
(quando buscava sabe-se lá o quê)
e decifrar, nestes arabescos,
a mão que os criou e sua dor,
só por um instante pensará com seus zíperes
antes de devolver meus poemas ao pó:
Não é que esses trogloditas
já sofriam igual a nós!

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s