Balés, de Bruna Beber

  1. AUTOR

Bruna Beber nasceu no Rio de Janeiro, em 1984. É autora de A fila sem fim dos demônios descontentes, de 2006; Balés, de 2009; e Rapapés & apupos, de 2012. Tem poemas publicados na Alemanha, Argentina, Espanha, Itália, México e Portugal. Participou das antologias Caos portátil – poesia contemporánea del Brasil; Poesia do dia – poetas de hoje para leitores de agora; Traçados diversos – uma antologia de poesia contemporânea; BLABLAblogue – crônicas e confissões; Enter – antologia digital e Otra Línea de Fuego – Quince poetas brasileñas ultracontemporáneas. Fez parte da quinta edição do projeto Portfólio, do Itaú Cultural, a convite do escritor Nelson de Oliveira, e escreveu o conto “As irmãs passionistas” para a instalação fotográfica do artista plástico Alexandre Siqueira. Participou também da Mostra Sesc de Artes de 2008 no projeto Poema Passageiro, de Ricardo Silveira, que colocou em circulação poemas de dez escritores contemporâneos brasileiros em mais de quinhentas televisões de aeroportos, livrarias, metrôs e ônibus da cidade de São Paulo. Fez a curadoria da exposição Blooks – Letras na rede, ao lado do poeta Omar Salomão, em setembro de 2007, no Oi Futuro do Rio de Janeiro, sob coordenação de Heloísa Buarque de Hollanda.

  1. OBRA

O livro apresenta 38 poemas curtos, em verso livre, compostos por dísticos (6), tercetos (26), quartetos (3) ou estrofes de tamanho misto (3). A tendência para o uso de tercetos, na maior parte dos poemas, talvez tenha a ver com uma inclinação, consciente ou inconsciente, da autora para o haicai. De fato, em parte dos poemas, as estrofes possuem uma certa autonomia, podendo ser lidas separadamente das demais sem grande prejuízo de seu significado. Grosso modo, poderíamos dizer que esses poemas (não são todos, mas uma parcela significativa) são resultantes do acoplamento ou da justaposição de haicais. Um exemplo disso se encontra em “dotes’:

coleciono mas não leio
cartas antigas, anúncios de almanaque
em latas de goiabada nolasco

sei que estou em permanente mudança
porque todos os dias abro e fecho
gavetas e caixas

[no entanto] aprendi pouco sobre apostas
e temporais, só sei que levam
muito mais do que trazem.

Repare o leitor que, se retirarmos do início da última estrofe a expressão “no entanto” (colchetes meus), que frouxamente a une à estrofe anterior, todos os tercetos poderiam ser lidos, isoladamente, como haicais, e não fariam feio.

Os temas abordados pela autora em Balés são típicos da lírica. Os encontros e desencontros amorosos constituem o tema dominante do livro, e encontram soluções poéticas muito interessantes em poemas como “”dorsal”, “artigos para presente”, “ímpar”, “janeiro” e “pares”. A infância é retratada em “poema para encorajar hélices” e “gangorra”. O tempo ocupa lugar importante em poemas como “mobília”, “rifa”, “lagoa” e “dotes”. E a metapoesia, prática constante dos vates modernos, aparece em “barragem”, “anéis”, “paraquedistas”, “catavento” e “brincos”.

3. CONTEXTO

Bruna Beber, poeta ainda jovem, apesar da trajetória já exitosa, dialoga em Balés com os jovens contemporâneos, falando de assuntos que interessam aos jovens na linguagem rápida e sintética, quase telegráfica, que os jovens também utilizam. Transcrevo, abaixo, o terceiro poema, cujas características formais dão uma idéia bastante próxima do modo de composição adotado pela autora ao longo da obra.

barragem

1 deve ser perigoso
2 esse gosto recorrente
3 de incêndio na boca

4 mas não há saliva pra apagar
5 e não há saliva que apague
6 por isso falo pouco

7 não sei o que de fato queima
8 fecho a boca e o fogo sai
9 pelo nariz

10 respiro mal, meu ar é qualquer fumaça
11 queria um gosto bom, queria pernas
12 pra sair correndo.

Como se pode observar, não há maiúsculas no poema, nem no título, nem no início dos períodos que compõem os versos, e a pontuação praticamente se resume ao ponto final colocado no fecho do último verso, exceção feita às duas vírgulas no terceto final. Essa apresentação lembra imediatamente as liberdades ortográficas introduzidas na poesia por Oswald de Andrade e outros modernistas, na primeira metade do século XX, e já sugere uma expressão solta, descontraída, desatenta a normas e convenções.

Os versos são, igualmente, livres, variando de quatro sílabas métricas (v. 9) a 11 sílabas métricas (v. 10). As poucas rimas, dispersas, são toantes, espécie de ecos esbatidos ou longínquos (perigoso/boca/pouco; recorrente/queima/correndo; apagar/apague/sai/fumaça), que fogem da repetição exata da rima consoante.

Em contraposição a esta aparente fluidez e liberdade da composição, o título, “barragem”, traz as idéias de barreira, obstáculo, impedimento. Porém, observando mais de perto o texto das quatro estrofes, notamos logo a atitude de contenção que leva o sujeito lírico a falar pouco (v. 6) e a fechar a boca (v.8). Os versos são, de fato, curtos, e se resumem a uma dúzia. Desse modo, a contradição inicialmente percebida, entre título e texto, fica em suspenso. O sujeito lírico sente a boca, ou a língua, ou a linguagem poética, como um obstáculo à livre expressão daquilo que o toma por dentro (o incêndio – v.3, o fogo – v.8). Em outros termos, o eu-lírico sente que a linguagem é insuficiente para dizer o mundo, fato que os românticos do século XIX já haviam verificado, e seus sucessores não deixaram de reconhecê-lo

Vale lebrar aqui, rapidamente, os versos de fundo incontestavelmente romântico de Bilac, no soneto “Inania verba”, pela proximidade que a imagem da lava, que utiliza, possui com as de incêndio e fogo no poema de Bruna: “O Pensamento ferve, e é um turbilhão de lava: / A Forma, fria e espessa, é um sepulcro de neve…” Para Bilac, a Forma, alegorizada pelo uso da maiúscula inicial, é mais que barragem para o Pensamento, também personificado: é seu sepulcro inescapável. Já Bruna, no poema “Ludíbrio”, que inicia Balés, fala sugestivamente em “enterrar cada parte” e “construir um cemitério”, referindo-se a operações usadas para recalcar uma emoção indefinida.

Outro autor que aborda o descompasso entre o pensamento e a expressão poética, de forma sarcástica, é o simbolista Augusto dos Anjos, no soneto “A idéia”. O texto descreve o tortuoso caminho percorrido pelo pensamento, desde o cérebro (“feixe de moléculas nervosas”; “encéfalo absconso”) até os órgãos da fala (“cordas da laringe”, “língua paralítica”), para constatar, afinal, o fracasso da empresa, uma vez que, no termo do trajeto, o pensamento já debilitado ao extremo pelo esforço da objetivação esbarra no “molambo da língua paralítica”. Note-se, na chave de ouro de Augusto dos Anjos, a ambivalência do vocábulo língua, que tanto pode referir-se ao órgão do corpo envolvido na fala quanto à linguagem articulada através da qual os seres humanos se expressam e se comunicam entre si.

Ainda, num registro lacônico, o mesmo tema aflora em vários momentos no modernista Drummond. Bastem três exemplos: “Gastei uma hora pensando um verso / que a pena não quer escrever.” (“Poesia”); “A poesia é incomunicável.” (“Segredo”); “Este verso, apenas um arabesco / em torno do elemento essencial – inatingível.” (Fragilidade”). A impotência para expressar suas reais vivências interiores parece constitui-se, afinal, em uma marca característica dos poetas modernos, tomando-se por modernos, aqui, aqueles poetas que, desde Baudelaire, buscaram na poesia o lugar para a expressão do mal estar do sujeito aprisionado pelas teias da civilização técnica e da existência padronizada e massificada das metrópoles.

Voltando ao poema “barragem” a partir dessa perspectiva mais ampla oferecida pela poesia moderna, percebemos, desde logo, que o obstáculo à autoexpressão identificado pelo sujeito lírico, no texto de Bruna Beber, aponta para um fenômeno mais amplo, que faz parte daquilo que Adorno, em seu ensaio sobre “Lírica e sociedade”, chama de “corrente subterrânea coletiva”. Em outras palavras, aquele incêndio, ou fogo, que lavra por dentro do sujeito, não pode (ou não deve) ser expresso, não pode (ou não deve) ser objetivado, pois representa um perigo (v. 1) para o próprio sujeito, à medida que lhe confere uma singularidade em meio à massa. O sujeito lírico luta com as forças e os elementos de que dispõe, como a saliva (vv. 4 e 5), ou mesmo o fechamento da boca (v. 8), para esconder a chama de sua singularidade, mas tudo é em vão, já que o fogo não se deixa prender de todo, e acaba escapando-lhe pelas narinas (vv. 8 e 9). Nesse momento do poema, o sujeito lírico, a pôr fogo pelo nariz, lembra a figura um tanto insólita e, no contexto do poema, até mesmo cômica, de um dragão amedrontado, tentando esconder sua verdadeira natureza e fazer passar-se por um ser humano comum.

É lícito associarmos o sujeito lírico de “barragem” à autora, uma vez que estamos diante de um metapoema, através do qual Bruna Beber explicita suas próprias concepções sobre a poesia e o ato de poetar. É através da escrita do poema que a autora alcança re-velar (ao mesmo tempo mostrar e ocultar) elipticamente, como no arabesco de Drummond, os dragões ou demônios que a habitam e a consomem, e que não pode deixar vir à tona na vida cotidiana, sob pena de, no mínimo, ver questionada sua sanidade mental.

O fecho do poema remete a dois desejos do sujeito lírico / da autora: primeiro, o de possuir, em vez do fogo, um “gosto bom” (v. 11) na boca e, provavelmente, poder tagarelar amavelmente com todos e como todos; segundo, o de evadir-se, de fugir para longe, quem sabe rumo a alguma imaginária Pasárgada, onde todos os desejos pudessem se transformar em realidade, ao modo de Manuel Bandeira (“queria pernas / pra sair correndo.” – vv. 11 e 12). Entretanto, esses desejos contrastam com a realidade imediata do sujeito lírico / da autora, expressa no verso 10, justamente o mais longo do poema e aquele que abre o terceto final: “respiro mal, meu ar é qualquer fumaça”. Num poema quase todo escrito em registro simbólico, salta aos olhos esse verso que fixa, em registro realista, um flash vigoroso da vida urbana moderna: a cena do indivídio transitando pelos espaços poluídos e sufocantes, fatalmente insalubres, da cidade grande.

Resta assim, ao final do poema, o sentimento solidário de amargura na boca do leitor. Uma barragem. Uma pedra no meio do caminho. Mas há os poemas de Bruna, de Drummond, de tantos outros, e através deles nossas solidões se comunicam.

4. QUESTÕES PARA REFLEXÃO

No poema “pares”, Bruna Beber inicia afirmando: “dentro do nó um laço / que dissonou”. É um exercício de pensamento e imaginação tentar entender esses dois versos: o que é, afinal, um laço dissonante dentro de um nó? Talvez, no contexto do poema, o leitor possa chegar a uma resposta mais ou menos plausível. Ou não, já que o restante do poema é constituído por apenas mais quatro versos, distribuídos em dois dísticos igualmente enigmáticos: “é assim a dança / das tentativas // uma hora é encontro / noutra vapor.” Entretanto, a estranheza da imagem persiste, mesmo após uma interpretação x ou y. Trata-se de uma daquelas imagens típicas da poesia moderna que, segundo Hugo Friedrich, em Estrutura da lírica moderna, são utilizadas pelos poetas para atingir antes a sensibilidade do que o entendimento do leitor.

A poesia de Bruna Beber não embala o leitor com versos rimados, ritmados, melodiosos e transparentes em relação ao significado. Pelo contrário, seus versos são ásperos, duros, opacos e dissonantes, como o são, segundo Friedrich, os versos dos grandes poetas modernos, nos quais a poesia veio a colocar-se em oposição a uma sociedade preocupada com a segurança econômica da vida.

É possível encontrar essas dissonâncias em outras formas artísticas com as quais dialoga o texto de Bruna Beber, como a dança (título do livro), a música (ver “último tango”), a pintura e a fotografia (ver “galerie” e “anéis”)? E o grande público, já terá incorporado aos seus pressupostos estéticos a legitimidade artística da dissonância?

5. REGISTRO DA LEITURA

Participe, no Facebook, no site da http://jornadasliterarias.upf.br/, postando declarações, vídeos, fotografias, entre outros, relacionados às discussões realizadas a partir da leitura da obra Balés.

6. LINKS

http://didimocolizemos.wordpress.com/

http://www.avoadinossauro.org/

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

4 respostas a Balés, de Bruna Beber

  1. Rolcinéia Rodrigues Boff diz:

    Esclarecedora análise que consigo relacionar com nossos estudos na disciplina de Poesia Contemporânea. O poema “Barragem” parece remeter a uma insatisfação com algo que se tem medo de demonstrar(“deve ser perigoso esse gosto recorrente”) e ao mesmo tempo vontade de protestar(“incêndio na boca”). Parece referir, contraditoriamente, que nem mesmo todas as palavras ditas conseguiriam dizer o tamanho da indignação(“não há saliva que apague”). Mas que mesmo calada por não saber formular ou direcionar a inquietação – ou talvez, até, tentar escondê-la – de alguma forma esse protesto se faz perceber(“fecho a boca e o fogo sai pelo nariz”), angústia da qual gostaria de fugir(“queria pernas pra sair correndo”).

  2. Greicy Kelly de Oliveira Hensel diz:

    O poema “Barragem” me intriga, seja pela falta de pontuação, seja pelas letras minúsculas ou pela curiosidade sobre esse sentimento tão forte que não pode ser demostrado em palavras e que tanto perturba. Penso que muitos poderiam expressar suas angústias, temores, perturbações através dessas palavras inquietantes e duras de Bruna Beber.

  3. Grazielle diz:

    Aos ler o poema Barragem de Bruna Beber, percebi que cada estrofe tem a sua profundidade e pode ser lida isoladamente, pois são repletas de significados. Acredito que reflete sobre as palavras que não podem ser ditas, mas podem ser expressas através de escrita ou outra forma de expressão.

  4. Sandra Fonseca Pinto diz:

    Quantas vezes não nos deparamos com uma situação assim? Onde se quer falar, expressar, gritar, mas temos que nos calar, engolir o ressentimento, a angústia, a ira, a raiva. Daí o “gosto recorrente de incêndio na boca”, por vontade de falar e ter que se calar. “não sei o que de fato queima”, inquietação por algum sentimento que nem se sabe qual é direito, algo que ficou preso em algum momento e que volta à tona para agitar nossos fantasmas. A censura é sempre algo que reprime, mas não apaga, “fecho a boca e o fogo sai pelo nariz”, há sentimentos que, mesmo disfarçados, resplandecem em nossas faces, atitudes e comportamentos, tornam-nos transparentes, devido a sua magnitude. “respiro mal, meu ar é qualquer fumaça”, a angústia sufocante de um sentimento preso no peito, prestes a explodir e que nos deixa com a sensação de que o coração saltará pela boca, necessidade de alívio imediato. “queria um gosto bom”, seria mais fácil negar esse sentimento ou substituí-lo por outro, mais meigo, mais suave, mais doce, o qual deixaria um gosto bom na boca. “queria pernas pra sair correndo”, fugir dos sentimentos é algo inerente aos humanos, seria mais fácil fugir e não ter que sentir nada disso, escapar das sensações coléricas e intensas, que nos fazem sofrer, muitas vezes calados, por termos que nos adequarmos às convenções sociais e não podermos gozar da plena liberdade de expressão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s